Histórico da rede de monitoramento do Inea

O monitoramento hidrometeorológico pelo Estado do Rio de Janeiro remonta ao ano de 1926, com a instalação do Posto Pluviométrico Copacabana/Estação de Tratamento de Esgotos, hoje desativado, no então Distrito Federal.
Com a criação da SERLA em 1975, após a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, essa instituição se tornou responsável pelas estações existentes, até então operadas principalmente pela extinta Superintendência de Urbanização e Saneamento (SURSAN).
Posteriormente, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMADS) com o objetivo de desenvolver estudos hidrológicos e hidráulicos do rio Guandu, instalou uma rede de estações na sua bacia.
Em 1998, no âmbito do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG), a SERLA contratou a instalação e operação de uma rede telemétrica com cerca de 20 estações no entorno da Baia de Guanabara.
Finalmente, as funções da SERLA, inclusive a operação da rede hidrometeorológica do Estado do Rio de Janeiro, foram absorvidas pelo INEA, a partir da sua criação em 2009. Também em 2009, iniciou-se a implantação do Sistema de Alerta de Cheias com o objetivo principal de informar à população, antecipadamente, situações de risco de chuvas intensas e de cheias nos cursos d’água.
Ao longo de sua existência, além da instalação de novas estações, ocorreram várias reestruturações da rede de monitoramento. Assim, verificaram-se remanejamentos e desativações de estações, além de interrupções operacionais ocasionais.
Atualmente, o Estado está empenhado em dar continuidade às observações hidrometeorológicas e na ampliação e aperfeiçoamento da rede em questão.