A qualidade das águas é representada por um conjunto de características de natureza química, física e biológica. Sendo um recurso comum a todos e de caráter estratégico, foi necessário, para a proteção dos corpos d'água, instituir restrições legais de uso através de leis, resoluções e diretrizes. Desse modo, as propriedades e atributos da água devem ser mantidas dentro de certos limites, os quais são representados por padrões, valores orientadores da qualidade de água, dos sedimentos e da biota.


O monitoramento de qualidade das águas é um dos mais importantes instrumentos da gestão ambiental. Ele consiste, basicamente, no acompanhamento sistemático dos aspectos qualitativos das águas, visando a produção de informações e é destinado à comunidade científica, ao público em geral e, principalmente, às diversas instâncias decisórias. Nesse sentido, o monitoramento é um dos fatores determinantes no processo de gestão ambiental, uma vez que propicia uma percepção sistemática e integrada da realidade ambiental.

 

No Estado do Rio de Janeiro, o monitoramento vem sendo realizado desde a década de 70, nos principais rios, reservatórios, lagoas costeiras, baías e praias. Atualmente, são avaliados 360 corpos hídricos em todo o ERJ por meio do monitoramento de 607 estações de amostragem, espalhadas por todo o território, em Praias e Águas Interiores.

 

O monitoramento da qualidade das águas é baseado em algumas etapas de planejamento como definir seus objetivos e indicadores de qualidade ambiental mais relevantes a serem privilegiados no Estado do Rio de Janeiro. Deve-se selecionar os locais de amostragem considerando os quesitos representatividade e acessibilidade com base nas Metodologias, Normas e Padrões vigentes. Além disso, é importante interpretar os dados coletados e analisados, transformando-os em informações objetivas e de fácil entendimento, como os relatórios e boletins apresentados neste portal.