Notícias |10.07.2019

Obras do PSAM recebem visita de Comissão da Alerj nesta quarta-feiraDeputados e representantes da sociedade civil acompanharam o andamento das obras em São Gonçalo

Deputados da Comissão Especial de Acompanhamento da Implantação do Novo Modelo de Governança da Região Metropolitana da Alerj visitaram o canteiro de obras e acompanharam frentes de serviço das intervenções do Programa de Saneamento Ambiental dos Municípios do entorno da Baía de Guanabara (Psam), em São Gonçalo, nesta quarta-feira (10/7). As obras do Psam são executadas por meio da Subsecretaria de Saneamento Ambiental, da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, e estão em andamento em Alcântara, contabilizando 30% de execução.

Representando o subsecretário de Saneamento Omar Kirchmeyer, o coordenador de Obras da UEPSAM-SEAS, Roberto Almeida, e o coordenador de Planejamento e Finanças da UEPSAM-SEAS, Rivamar Muniz, receberam os deputados estaduais Waldeck Carneiro e Renan Ferreirinha, presidente e membro da comissão, respectivamente; e o presidente do conselho consultivo de governança metropolitana, Henrique Silveira, no canteiro de obras.

Além da apresentação do projeto detalhado, a comitiva visitou frentes de serviço em andamento, como a de construção da Estação de Tratamento de Esgoto de Alcântara.

Sobre o PSAM

O Programa de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara está em execução e promove a despoluição da baía a partir da implantação do sistema de esgotamento sanitário nas cidades do entorno do corpo hídrico.

No momento, estão em andamento frentes de serviços em Alcântara, São Gonçalo. Como resultado destas obras, a estimativa é de que 1.200 litros de esgoto por segundo in natura deixarão de seguir para a Baía de Guanabara, com a conclusão das obras, o que representa cerca de 41 piscinas olímpicas de esgoto por dia que receberão tratamento.

O escopo contempla a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto; de um tronco coletor; implantação de rede coletora e elevatórias, além das ligações domiciliares das residências no entorno da obra.

A intervenção conta com investimento de R$ 106 milhões, para este ano, e os recursos provém, em sua maioria, do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam).

Atualmente, cerca de 300 empregos diretos já foram criados e a previsão é que esse número suba para 600, em breve.

Os benefícios da obra, porém, já chegaram à baía, com a entrega do trecho 1 do Tronco Coletor Cidade Nova, em abril deste ano. Os 3,8 quilômetros do coletor estão em operação e redirecionam cerca de 350 litros de esgoto por segundo para a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Alegria, que anteriormente eram lançados no Canal do Mangue. A quantidade equivale a 12 piscinas olímpicas por dia de esgoto tratado. O Tronco Coletor Cidade Nova atende 163 mil habitantes locais e beneficia seis bairros do centro da capital fluminense: Cidade Nova, Centro, Catumbi, Rio Comprido, Estácio e Santa Teresa.

Fotos: Flávia Rosella

Em destaque