Notícias |07.02.2020

Seas e Inea suspendem atividades de quatro empresas do distrito industrial de QueimadosTrês pessoas foram detidas e conduzidas à delegacia

Sete empresas abrangidas pelo Distrito Industrial de Queimados, localizado na Bacia do Rio Guandu, na altura da Baixada Fluminense, foram vistoriadas nesta sexta-feira (7/2), por técnicos da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), e agentes do Comando de Polícia Ambiental (CPAm). A ação teve por objetivo identificar irregularidades que possam causar a degradação ambiental do Rio Guandu.

Dessas sete indústrias, quatro tiveram as atividades suspensas por cometerem infrações ambientais como despejo de efluentes sem tratamento; fabricar embalagens plásticas sem a devida licença ambiental; transporte de resíduos sem a licença e ausência de rede de esgotamento sanitário. Os responsáveis pelos empreendimentos foram autuados pelas práticas irregulares. Três pessoas foram detidas e conduzidas à delegacia de polícia para prestar esclarecimento e responderão por crime ambiental.

A primeira indústria inspecionada foi a “Work Shore indústria e comércio”, onde os técnicos flagraram lançamento de efluentes líquidos sem tratamento no solo e na rede pluvial. Por conta disso, a atividade foi suspensa e o responsável pelo empreendimento foi conduzido à delegacia de polícia.

Em seguida, a equipe fiscalizou a empresa Raft onde descobriu que a mesma fabricava embalagens plásticas sem a devida licença ambiental. A atividade foi embargada.

Na empresa Reluz Cosméticos, os técnicos flagraram despejo de efluentes na rede pluvial. Além de ter a atividade suspensa, o responsável pela indústria foi detido e conduzido para a Delegacia de Polícia.

A Empresa VTRUM – Cristais temperados foi autuada por disposição inadequada de resíduos no solo e notificada a construir um dique de contenção; e a indústria Sanes foi autuada por não realizar, periodicamente, a limpeza de fossa e filtro, fundamental para evitar o despejo de efluente sem tratamento no rio Guandu.

Em seguida, os agentes percorreram a empresa Eco Pak onde flagraram a ampliação do empreendimento sem submeter ao órgão licenciado, no caso a Prefeitura de Queimados, para análise e parecer. O representante da Eco Pak foi detido e levado para a delegacia. A última indústria vistoriada, foi a empresa Saint Gobain que não apresentou irregularidades.

O Inea reitera que atua de forma intensiva no entorno da Bacia do Guandu e continuará as vistorias nos próximos dias. A polícia fará o patrulhamento ambiental da região 24 horas.

Em destaque