Notícias |16.05.2019

Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade dá sinal verde para instalação de Usina capaz de transformar lixo em energia elétricaLicença prévia concedida pelo Inea permite a instalação do empreendimento no Rio, que poderá beneficiar 500 mil pessoas

O Rio de Janeiro está a um passo de ter a sua primeira usina de geração de energia elétrica por meio de resíduos (lixo), instalada no bairro do Caju, na área central da cidade. Essa será a segunda dessa natureza no país. A licença prévia para a instalação foi entregue pela secretária de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas), Ana Lúcia Santoro, e pelo presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Claudio Dutra, ao prefeito Marcelo Crivella, nesta quarta-feira (15), em solenidade oficial realizada no Palácio da Cidade, em Botafogo.

Na ocasião, a importância do equipamento foi ressaltada pela secretária como uma conquista histórica para o Rio de Janeiro e para o Meio Ambiente. “Temos um legado tímido, ruim, no tratamento de resíduos. Diante de uma diretriz de governo baseada em inovação, proposta pelo governador Wilson Witzel, estamos enterrando um problema que pode se tornar solução. Hoje a tecnologia nos permite transformar resíduo em energia, renda e emprego” ressaltou Ana Lucia Santoro.

Outro ponto de destaque do evento foi a celeridade para concessão desse licenciamento pelo atual governo. “Tivemos quatro meses de trabalho sério, correto, dentro das técnicas e em atendendo aos critérios necessários para emissão dessa licença. Estamos comemorando um triunfo para a cidade e para o estado como um todo” defendeu Claudio Dutra, lembrando que a licença do empreendimento estava entre os passivos da secretaria, pendente há quatro anos.

A usina carioca terá capacidade de processamento de 1300 toneladas/dia de diferentes tipos de resíduos, oriundos de coleta domiciliar para a geração de energia. Ao todo, 14% do lixo em geral, preferencialmente orgânico, serão transformados em energia limpa (chamada Waste to Energy, em inglês). Essa produção energética vai gerar economia de cerca de R$ 9 mil/hora.

Em seu pleno funcionamento, a transformação de lixo em energia poderá abastecer 120 mil domicílios, em benefício a 500 mil pessoas. Além disto, com a nova unidade no Caju, 68 viagens de caminhões ao aterro sanitário de Seropédica serão evitadas, reduzindo a emissão de 4,3 toneladas/dia de CO2 para a atmosfera, ou seja, menos 1570 toneladas de CO2/ano para o ar.

Em destaque